28 março, 2006



VIAJANTE

Ney Matogrosso


Eu me sinto tolo como um viajante
Pela tua casa,
pássaro sem asa,
rei da covardia
E se guardo tanto essas emoções
nessa caldeira fria
É que arde o medo
onde o amor ardia
Mansidão no peito trazendo o respeito
Que eu queria tanto derrubar de vez
Pra ser teu talvez,
pra ser teu talvez


Mas o viajante é talvez covarde
Ou talvez seja tarde
pra gritar que arde no maior ardor
A paixão contida, retraída e nua
Correndo na sala ao te ver deitada
Ao te ver calada,
ao te ver cansada,
ao te ver no ar
Talvez esperando desse viajante
Algo que ele espera também receber
E quebrar as cercas
em que insistimos
em nos defender


Eu me sinto tolo como um viajante
Pela tua casa,
pássaro sem asa,
rei da covardia
E se guardo tanto essas emoções
nessa caldeira fria
É que arde o medo onde o amor ardia
Mansidão no peito trazem o respeito
Que eu queria tanto derrubar de vez
Pra ser teu talvez,
Pra ser teu talvez
Pra ser teu talvez,
Pra ser...


Cauzzinh@...

Um comentário:

  1. Amo esta música...amo... muito.

    Beijos queridíssima...

    C tá bem?

    ResponderExcluir

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...