15 março, 2011

Caminho...


ALEGORIA PARA OS PÉS CANSADOS

Cau Alexandre

Levantou-se do banco onde estivera tanto tempo, apenas sentada, vendo o tempo passar. Parecia tanto tempo, tanto tempo à margem do mundo borbulhante do passantes. Dos carros barulhentos. Do burburinho das gentes. Da imagem de profundo infinito que se desenhava tão instigantemente fugaz e duradoura, tudo bem a sua frente.
Olhou para frente, aqueles minutos pareciam horas, dias, anos, vidas, eras, mas foram só uns minutos. Alguns minutos para atender seu cansaço e seus pedidos inconscientes de parar. Descansar... Sossegar.

O dia perdera os tons vermelho-alaranjados do fim de tarde, e o céu tomava pra si tons de azul profundo. Profunda era sua certeza de que era hora de seguir o rumo que se abria a sua frente, seu rumo, seu caminho, sua estrada.

O primeiro passo ainda era o mais difícil. Apegara-se aquele banco? Impossível. Quem se apega a tão pouco em tão pouco tempo? Seria a sensação de reconfortante alívio que seus pés cansados sentiam? Certamente. Seria, sim, o conforto de apenas ficar olhando o anoitecer? Talvez, apegara-se ao conforto de não precisar se mover, de estar e ficar... Simplesmente permanecer. Ausência de ações que gentilmente afagam a ilusão de ter chegado ao destino final. Engano. Era só passagem, miragem para os sentidos.
Foram apenas minutos, que agora pareciam não tê-la descansado. Mas inquietado-a ainda mais.

Era hora de seguir.

Pôr os pés mais uma vez à prova. O caminho sempre longo, nem sempre seguro, nem sempre certo, nem sempre reto... Mas o caminho de alguma forma era mais bonito agora, depois do anoitecer ali, no banco.
As luzes da cidade acesas traçavam uma nova linha, contornando o que seria o seu percurso. Iluminavam também seus sentidos, seus pensamentos. Tinha certeza, era hora de ir, seguir, seguir em frente.

Olhou mais uma vez o banco, sentiu-se feliz. Talvez pelos minutos fugazes, mas que deixavam uma sensação perene. Talvez, porque agora lhe parecia mais claro o pensamento. foram minutos preciosos que lhe renderam a certeza que chegaria em casa.

copyright©caualexandre2011
No Player
Jack Johson - Constellations

2 comentários:

  1. Primeira vez visitando o seu Mar e adorando. Beijos meus e da sua "Alma Espinhosa"!

    Abçs. Mércia.

    ResponderExcluir
  2. Minhanossinha, chocolatinhaaaaa.. vc tá escrevendo lindimais da contaaa

    Mondibeijooosss

    ResponderExcluir

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...