20 dezembro, 2011

De cada alma...


CONSCIÊNCIA

Cau Alexandre

Despiu a alma da esperança vazia
Descansou as dúvidas no vento nômade
Repousou os olhos no instante perdido
Mergulhou gravemente dentro de si mesmo


Encontrou suas próprias vagas razões
Respostas para as frágeis perguntas
Que nunca ousaria fazer a si mesmo
Pelo temor de dissipar seu próprio ânimo


Vestiu-se apenas das horas errantes
Alma nua, resguardada na carne crua
Inquieta, sentida, dolente, ferida,  
Tocada pela pacífica luz fria do ocaso


Trancou no olhar as nuvens do tempo
Abandonou-se em íntimos pensamentos
E, servindo-se de alento e estro
Flertou com sua própria solitude.


copyright©caualexandre2011

No Player

3 comentários:

  1. Cau ... Feliz Natal ... e Feliz Ano Novo !!
    Bju grande ...

    ResponderExcluir
  2. Anônimo6:08 PM

    despir-me........... solicito-lhe.............mas.........nada sou, apenas nú de mim mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo12:24 PM

    Despir-nos de corpo e de alma e enfim, a consciência de ser mais um na multidão... Parabéns pela imagem e pelo texto. Belíssimo trabalho, aliás, como sempre! =D
    Sol

    ResponderExcluir

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...