23 abril, 2012

Longe...



AO AUSENTE

Cau Alexandre

Ver. Ouvir. Sentir. Degustar. 
Na habitual extravagância do querer
À perpétua prisão da fria palavra.
Impassível e doce, cruel e delicada
Inebria, extasia, sugere, fantasia
E por capricho, ri da excêntrica vontade 
Que os dedos tem de tocar.


Palavras trocadas, distâncias percorridas
frações de segundos que dilaceram o peito,
Que buscam vencer a distância
Com a finitude de um olhar


Anelo. Anseio. Vontade. Desejo.
Força motriz que impulsiona a vida
Para junto, para perto, próximo.
Uno, entrelaçado, ligado, unido.
Mas na clausura da palavra, só há deserto.
O verbo torpe, sozinho, frívolo e vazio.
Só resta a solidão e mais nada.


Da letra fria e conformada nasceram sonhos
Enleios doces e ambição sublimes
O apetite lascivos e desejo contido, 
Preso, acorrentado, cercados, encarcerados na palavra


Palavra sem rosto, sem cheiro, sem sabor.
Palavra ilusória, delirante, extasiante.
Cruel algoz e particular amiga.
Ajudai-me a vencer pior inimigo!


A distância.



copyright©caualexandre2012




Um comentário:

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...