14 setembro, 2010

Movimento...


O MOVER DO RIO

Cau Alexandre

Doces as horas fluidas
No rio dos muitos encontros
em braços de água mansa
Envolvem a pedra calma
num abraço aconchegante

E passa

E a pedra, suavemente abraçada
suspira, enleva-se e sonha
Enamorada no calor do enlace
No furtivo encontro
De perene encanto

E descansa

Até que um dia, a pedra
tão docemente abraçada
percebe que livre está
da terra que a segura
E a água fluida que passa
move-lhe de lugar

E leva

E livre, passa a rolar
a pedra rio à fora
mar à dentro
infinito à vista

Livre

Mas já não se sente abraçada
E o vasto mundo lhe consome
E a saudade da água mansa do rio
corrói sua alma de pedra

E chora

Mas já não há igual momento
o tempo é outro...
a corrente muda...
e fica só a saudade
do abraço frio
das águas tranquilas
do mover do rio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...