25 fevereiro, 2007

Espelhos...




(...) Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.(...)
Tabacaria. Fernando Pessoa, Poesias de Álvaro de Campos.


As Lâmpadas do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz. (Evangelho de Mateus, 6:22)




Já é noite...
E é à noite que tudo volta ao seu devido lugar.
Quando os do dia dormem e os da noite despertam.
Lá estava ela, de volta a si novamente.
Quem teria sido hoje?
Pegou seu espelhinho redondo. Pequeno, tosco, de borda marron.
Fitou-se. Quantos reflexos ela tivera hoje? Por quantas teria se passado? Quantas teriam usado o mesmo corpo e seus reflexos?
Reflexos... Lembranças
Um parque. Há muito tempo atrás.
Que dia!!!
De tudo o que mais queria era ir no famoso quarto dos espelhos.
Que grandes surpresas estariam reservadas a ela naquele lugar.
Sem grandes tecnologias, luzes e imagens refletidas.
Era um frisson quase infantil.
Paga a entrada, era hora de aproveitar sua liberdade dentro do parque.
Via rostos alegres, ouvia gritos de pavor e alegria, sempre seguidos de risos soltos.
O parque é quase o céu.
E na frouxidão dos pensamentos depara-se de repente com seu pedaço de céu particular. A sua casa dos espelhos.
Quase solta um grito pelo arrepio de prazer que lhe invadiu a alma.
Entrou.
A entrada escura. Medo.
Luzes acendem repentinamente.
Vê-se em um labirinto de reflexos.
Susto.
Os olhos acostumam-se à luz.
Um reflexo oblongo aparece-lhe à frente. Coisa disforme. Cabeça à cima a perder de vista. Corpo fino, aliás, finíssimo que descia espelho abaixo.
Riu
Sim, era engraçado. Olhou para si mesma. Ainda estava lá, a mesma. Mas no reflexo à frente não.
Cansou-se da imagem. Seguiu em frente.
Outro susto. Um ser baixinho, redondo, pernas quase inexistentes, pescoço semelhantemente invisível. O rosto era um círculo cheio de detalhes. Não conteve o riso. Muito engraçada a estranha figura que se lhe apresentava à frente.
Sentiu-se impulsionada à próxima imagem.
Uma surpresa. Imagem curvilínea, bela. Nunca se vira tão bem assim – pensou consigo mesma. Seios fartos, quadris definidos, nossa que coxas. Riu. Sentia-se a própria estrela de cinema.
Quem dera a vissem agora.
Relutou e deixar essa imagem pra trás. Mas a curiosidade foi maior que a satisfação causada por aquele reflexo.
Na próxima imagem estava lá algo bem esquisito. Um tronco raquiticamente minúsculo em cujas extremidades via-se uma cabeça igualmente minúscula e pernas absurdamente grandes. Parou um pouco diante deste reflexo. Mas que absurdo seria aquilo. Pra que serviriam tão longas e fortes pernas?
Seguiu em frente.
No próximo reflexo lá estava diante de si um enorme busto. Escondia atrás de si a cabeça, aliás, todo o resto.
Mas que grande coração seria esse. Ou seria mesmo só doses maciças de silicone? Gargalhadas sonoras.
Deu-se conta que não estava só. Outros olhos a fitaram.
Corou um pouco. Seguiu para a próxima.
A próxima imagem lhe causou grande estranheza.
Um corpo magro, quase linear, e uma grande cabeça, absolutamente desproporcional. Seu primeiro pensamento: Como algo assim poderia sustentar-se?
Viu seus grandes olhos refletidos. A cor tão presente, chamando à ficar próximo, cada vez mais.
E a imagem que viu naquelas grandes olhos lhe pareceu tão familiar. Sim... mais perto. Cada vez mais... viu um rosto amigo, presente, sóbrio. Chegou a ser reconfortante.
Era a sua própria imagem, simples, vista nos seus grandes olhos.
Olhou de lado. Ninguém mais via?
Não, era preciso uma aproximação muito grande. Só ela via.
Afastou-se, reaproximou-se. Sim, ela estava ali.
Ficou reta... era o último espelho.
Saiu pela porta escura. A luz do dia invadia sua íris. Os olhos acostumando-se à claridade. Mas deles não saia sua imagem refletida em si mesma.
De volta ao quarto, à noite, tanto tempo depois, com seu pequeno espelho, que lhe serve de lembrete.
Não importa quantas seja, não importa como o reflexo aparece aos olhos curiosos de quem passa. Não importa a infinidade de vidas que tenha que viver. É alí, no reflexo de seus próprios olhos que ela está. O espelho? É só um lembrete, bem pequeno, que lhe traz a imagem mais pura de si.

por Cau Alexandre


2 comentários:

  1. Fitar seus próprios olhos em um espelho é prova de grande coragem, porque ali você vê o que é por dentro, e nem sempre é belo.
    Os olhos são o próprio espelho da alma.
    O jeito mais fácil de vermos o que somos, o que escondemos sob nossas máscaras, e são tantas as máscaras...
    Mas toda máscara tem um espaço justamente para os olhos, exatamente porque os olhos revelam o que está sob ela.
    Gosto do que vejo em meus olhos "tristes" como os definem.
    Vejo ali um homem que precisa apenas ser amado e dar o mais belo amor que conhece á quem, de fato, o mereça.
    Assim, quem sabe, esses meus olhos não serão tão tristes, e passem a irradiar, ou refletir, apenas alegria e luz. Como os seus irradiam sempre que os vejo.

    Uma bela metáfora essa de seu texto, muito bom menininha.
    Beijinhos carinhosos.

    ResponderExcluir
  2. Puxa vida, choquis, eu fiquei sem folego.... me ví em tantas passagens.. me sentí refletida em seu espelho redondo...

    Lindo.. lindo...

    Beijos amoremia

    ResponderExcluir

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...