06 novembro, 2007

Pensamentos tardios...

Por Clau Alexandre

Sabe, estava pensando aqui "cá com meus botões".
Deveria ser terminantemente proibido a qualquer 'ex', de qualquer espécie, o direito de voltar e dizer: "Sabe, descobri que quero você novamente" ou "Você sabe que me faz feliz" ou "Sinto saudade de você".
Sei que possivelmente, mesmo eu já tenha feito isso algumas vezes, assim como você e tantos outros. Sei que pode parecer muito duro, já que todos têm o direito ao arrependimento, a mudança de pensamento ou opinião. Mas vocês hão de convir comigo, muito mais duro é o tempo que se leva pra assimilar um "fim", "acabou".
Não, não estou falando de negar o fato, pôr um sorriso hipócrita e tão amarelo quanto falso nos lábios, em nome de um suposto pensamento positivo, 'up', que tudo ficará bem se você sentir-se bem.
Ah! Faça-me o favor... A criatura se sentindo um lixo, deixada de lado, trocada, abandonada, sozinha, um trapo humano (Tudo bem tô exagerando... mas vão me dizer que não é assim que todos, homens ou mulheres, se sentem?) e ainda ter que pôr um sorriso ridículo na cara pra que os demais seres vivos ao redor não se sintam incomodados com a sua tristeza?
Já ouvi e já disse algumas vezes também (não sou adepta a esconder minhas próprias mazelas): "Não quero que sintam pena de mim!". Mas de que adianta esconder dos outros, se nesse momento a gente só se enche de uma puta de autocomiseração?
Alô!!!! Galera!!! Todo fim dói muito!
Mesmo aqueles já "com morte anunciada". Mesmo os agendados. Mesmo aqueles que eram mais certos que o começo. Todo fim dói.
Eu me recuso a vestir a máscara do "tudo bem" enquanto morro por dentro. Sem exageros é claro, que ninguém tem obrigação de me agüentar... Mas daí a ter que estar "suuuuuuuuuuuperrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr bem" sempre e o tempo todo, nem pensar. Não gostou do meu estado de espírito? Dê-me espaço, vai ver eu realmente preciso respirar um pouco sozinha. Quer ajudar? Fica ali do lado, segura na mão, oferece colo, ombro... Mas deixa essa dor sair.
Acho que é como minha mãe dizia dos pequenos furúnculos que aparecem nas crianças: "Quando estourar tem que sair tudo. Se guardar é pior".
A isso eu chamo 'coerência comigo mesma'. Se me alegrou, eu sorrio. Se doeu, eu grito. Se me entristeceu, eu choro. Não adianta tentar enganar os outros, quem dirá a si mesmo!
Somos seres sociais, se é que vocês ainda não perceberam. A gente endoida se não tiver ao menos um tonto na linha do outro lado dizendo: "Em que posso ajudá-lo?" (sem falar no que se dizem 'ilhas', mas não vivem sem a nova modalidade de 'rocha para ermitãos', chamada Internet. Sozinho, porém com bilhões de pessoas). No fundo, queremos alguém pra partilhar, não precisa ser namorado ou namorada, marido ou esposa, amante. Pode ser amigo, colega, contato no MSN, Chat, orkut, 'yogurte', "qualquer-desses-uts-da-vida-hoje". E é por isso que o 'fim' dói.
Sentimos a perda, a falta. Parece que o mundo acabou pela falta de um. Parece que a dor é tanta, como se tivessem levado um pedaço de nós junto com eles.
Dói
Machuca
Dilacera
Faz as lágrimas descerem copiosas pelo rosto.
Tira-nos a vontade de estarmos com todos os outros milhares de pessoas que estão, e continuam ao nosso redor.
Até que percebemos justamente isso. Temos milhares de pessoas ao nosso redor. Boas pessoas, pessoas engraçadas, pessoas amáveis, pessoas certinhas, erradinhas, cuidadozinhas, estabanadinhas e por aí vai.
E eu não estou falando em viver um dramalhão mexicano por-todos-os-sofríveis-últimos-anos-da-vida. Não é isso! Porque até os/as muito sofridos (as) heróis/heroínas mexicanas têm finais felizes. Que ninguém é de ferro, né? Nem nas novelas!
Tô falando em dor, sofrimento natural, sentimento.
Com o tempo a gente volta a sorrir, com o tempo a gente volta a perceber as pessoas, as coisas, as cores, as belezas. Com o tempo. E por mais que seja um ditado batido: O Tempo cura! E não tô falando em esquecer, mas de curar. Como a feridinha, que deixou a cicatriz, mas não dói mais. Curada.
É um ciclo natural. Se alguém não consegue sair disse precisa mais que ombro ou lencinho, precisa se tratar: "Porque não há dor que dure para sempre".
Só, que nesse meio tempo, entre a ferida aberta e a cicatriz, alguns dos digníssimos senhores e senhoras portadores do "fim", "não dá mais", "é melhor a gente dar um tempo", "acho que não podemos mais ficar juntos", "precisamos de espaço", "vai embora", "me esquece", etc-e-tals, resolvem que precisam de nós, que necessitam dramaticamente da nossa presença, que carecem desesperadamente que voltemos pra eles/elas.
Bom, quem nunca fez isso que atire a primeira pedra (mesmo que tenhamos que nos esconder atrás do escudo pelas pedras dos hipócritas). Mas se me permitem um desabafo: VÁ SE DANAR!!!!
Dias de dor, coração apertado, sentimento de rejeição, pra num belo dia o causador chegar e dizer (subliminarmente): "Pô, foi mal... enganei-me. Achei que você era um pé-no-saco, mas descobri que só você me agüenta”.
O pior é que isso só acontece quando já se está a mais de meio caminho andado da "cura". Mais feliz, mais tranqüilo, mais “dono-de-si". Geralmente quando se deu espaço pra outra pessoa tentar, ao menos, derrubar as barreiras impostas pelo coração dolorido. Aí, vem a droga do 'radar de ex'. Já falei sobre minha teoria do 'radar de ex'? Não? Pois bem. Vocês nunca se perguntaram como é que uma pessoa que há tempo sequer fala com você, de repente tem uma louca saudade de você? Uma vontade incontida de saber como você está? Um alucinante desejo de ter você por perto novamente? E justamente quando tudo o que você não precisa é a presença dessa pessoa (porque geralmente você está engatando uma nova amizade/namoro/relacionamento). Não perceberam isso? É o radar de 'ex'. É incrivelmente infalível! Eles (os ex) sempre aparecem. E o pior: cheios de amor pra dar! Com aquelas frases que esperamos por tanto tempo pra ouvir de suas bocas, mas que nunca vieram, até ali!
Isso devia ser proibido.
A fila anda!!!! E quem já passou a vez, passou!!!!
Quer ser amigo, sejamos... Cada um na sua.
Tô pedindo demais? É, tô.
Mas não custa nada reclamar, até porque no dia que eu perder a minha capacidade de me indignar com as coisas pode contar... Eu morri.
Não pensem que escrevo esse texto olhando pra fora. Não. Olho pra mim. Olho pras vezes que eu fui a 'ex'. Pras horas em que meu alerta do 'radar de ex' tocou. E penso em ser mais ponderada. Mas também olho também pra fora, para aqueles que não perceberam que o fim dói, mesmo que o sorriso amarelo esteja lá, ainda assim dói.
Ainda assim, dói.
Mas se é verdadeiro, mesmo... Se a saudade foi maior, se a vontade de estar perto for tão grande que valha a pena voltar e pedir 'perdão' ou pedir pra ficar, bom... Imagino que nenhum de nós vá se importar em 'sofrer' um pouco a vingança-natural-da-dor, não é?
Se for o que se quer, voltar, aprenda a ser paciente, a esperar, a perseverar ou até de entender um "não quero mais". Porque também se tem o direito de errar, mas não de fazer sofrer. E pra tudo se tem um preço na vida! As colheitas são sempre certas.
Mas uma coisa tenho certeza, depois que as 'curas' vêm, tudo fica mais fácil... Até dizer um "até logo" fica mais agradável.

Por que escrevi isso? Sei lá... Pensamentos tardios de uma mente que não aprendeu a parar.

Clau Alexandre

No Player
Reação em Cadeia -
Me odeie

10 comentários:

  1. "VÁ SE DANAR!" é comigo mesmo pra ex-arrependido!!! Aff...!

    Agora, depois de ler esse texto eu tô na dúvida se só eu que tô com uns textos meio encorpados... [risos]

    Isso é bom! (;

    Ah... venho aqui e em todos de prache todos os dias que eu publico algo no meu. Publico e saio a fazer minhas visitinhas. Só que aqui eu demorei MESMO porque vou te contar: você tem muitos links legais!!! Show de bola! Aí ia e voltava, ia e voltava... [risos] Tem coisa que eu ainda não vi, acredita?! Principalmente de poesia. Tá melhor que o "paiGoogle"!!! Vai ter que me aguentar! kkkkkkkkk...

    Beijos, lindeza.

    ResponderExcluir
  2. ahahahaha se eu bem te conheçoooooooooooooo


    Minha chocolatinha favorita (ainda, apesar de vc ter me abandonado sem pai nem mãe, nem chocolate.. ahaha) eu amei a sua passadinha quase corrida pelo Oncotô, com medo de ser pêga em flagrante delito.. ahahah

    Sinto muita saudade, viu, coisa rsrs

    Beijo do maior tamanho que vc possa imaginar.. rsrs

    eu tiamu.... sua.. sua... sua... coisa achocolatada rsrs

    ResponderExcluir
  3. Você escreveu muito bem sobre as relações e seus fins...


    Volto para te reler.

    Continuo amando a Perda, pois só a perda abre caminho para o Novo - e o novo é sempre fascinante!


    Abraços, flores, estrelas..

    ResponderExcluir
  4. Anônimo11:28 AM

    sabia de uma coisa minha Mercenaria querida...algo q eu necessito te dizer..sempre(tu bem sabes o quanto sou lesona e nao gosto de exposiçoes)mas eu simplesmente....
    Te amoooooooooooooooooooooooooooooooooo!!!!
    E quase compartilho c vc...mas sou igual maria mole...rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Que bom que você não aprende a parar nem a me esquecer!

    Nunca vivi algo parecido, de "ter" que voltar pra alguém, ou de voltarem para mim: nunca ninguém saiu da minha vida, pois nunca entraram em definitivo!
    Não que eu não tenha sentindo doer algumas paixões alimentadas apenas por mim; senti muito. Aprendi a me deixar sentir tudo, das dores às maiores alegrias. O importante é ser honesto: é aqui que a vida começa mesmo. Claro que não podemos perder o bom senso!

    Já presenciei separações dolorosas, daquele tipo de casa ("aqueles que eram mais certos que o começo"), e percebi como são dolorosos.

    "Dias de dor, coração apertado, sentimento de rejeição, pra num belo dia o causador chegar e dizer (subliminarmente): "Pô, foi mal... enganei-me. Achei que você era um pé-no-saco, mas descobri que só você me agüenta" - Isso só acontece comigo quando quem está do outro lado vive sua solteirice a pleno vapor e lembra que tem um Raimundo Carente aqui do outro lado. Um saco mesmo.

    "Vocês nunca se perguntaram como é que uma pessoa que há tempo sequer fala com você, de repente tem uma louca saudade de você? Uma vontade incontida de saber como você está? Um alucinante desejo de ter você por perto novamente?" - Bom, é isso que me pergunto quando acontece o fato supramencionado!

    Eiiiiiiiiiiiiiiii... sei que digo isso pra quase todos que me visitam e comentam...mas é verdade: eu queria estar mais presente na sua vida/blog (E olha que eu tive a coragem que meu pai, que foi embora há 20 anos, não teve de dizer "eu eu queria ter estado mais presente em sua vida"!) :)

    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Li e reli... Um dos textos mais sentidos que li aqui no mar, e sem dúvida o que mais mexeu comigo :s
    Mas para já, vou-me abster de comentar, afinal, sou "daqueles que guarda"...
    ...
    (está em sintonia com a música do player)

    Jytux

    ResponderExcluir
  7. Há aquele texto que fala:
    "Todos os dias morre um amor. Quase nunca percebemos, mas todos os dias morre um amor."

    Sabemos que isso acontece, mas também sabemos que não é isso que faz doer menos. Tens toda a razão, o fim dói, sempre!!
    Mas, como a gente falou um dia, pior que o fim, é a incerteza... essa enlouquece.

    Não vou atirar pedra em ninguém.
    Já fui ex, já neguei segundas oportunidades, já fui ferida e já feri muito... é a lei natural das coisas, a prova da nossa imperfeição.
    Enquanto houver um coração para ser magoado, é sinal que também temos um coração para nos fazer sentir vivas, e isso, compensa tudo!

    Beijo pessoinha mais do que especial que eu amo =)

    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. Ena!
    colocaste em palavras algo que ando a sentir nestes últimos dias!
    Impressionante!
    Nem imaginas como me identifiquei!E ajudou-me, obrigada por isso!
    Amei!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Tem MEME pra você no meu cantinho na publicação de 12/11/07.

    Passa lá pra pegar assim que der, viu? (;

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Bel n®8:46 PM

    Olá,será que vc me autoriza a colar isso no meu blog tb.
    Achei lindo tudo que escreveu...rs

    Bjs
    Bel ®

    ResponderExcluir

Olá! Feliz que você queira deixar um rastro nas águas desse Mar de Palavras®. Gosto de lê-los e saber como cada um sente ao ler o que aqui eu exponho a vocês.
Fiquem sempre à vontade... mas é bom lembrar:

Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral autoria e responsabilidade dos leitores que dele fizerem uso. Reservo-me, desde já, o direito de excluir e/ou não publicar comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos sem a devida identificação de seu autor (nome ou nick e endereço válido de e-mail) também serão excluídos.

... εϊз "Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo entendimento" (Clarice Lispector) εϊз ...